Para você…

Hoje em dia, eu não sou muito de escrever, muito menos de escrever bem. Mas eu sinto que preciso dizer de alguma forma o que sinto por você. Eu, até hoje, não achei explicações para o sentimento que há dentro de mim. 

Eu só sei que desde que estou com você eu me sinto bem. Sim, me sinto. Apesar de muitas vezes não parecer. 

Já passamos por momentos muito felizes, e tristes também. A vida com você por mais complicada que seja, é a melhor que eu poderia ter, é a que eu sempre quis. 

Eu sei, não sou a esposa que todos os caras desejam (nem de longe), não sou a mais bonita, nem a mais inteligente, e muito menos a mais calma delas (já testamos isso várias vezes 😂). Mas é a que você tem, não sei se felizmente ou infelizmente, mas sou eu que estou aqui para o que você precisar. 

Talvez eu nem te mereça, talvez eu devesse ficar sozinha, mas é tão triste imaginar uma vida sem você do meu lado, para me apoiar, dar conselho, me amar. 

O meu objetivo hoje com este texto vagabundo é te pedir desculpas por todo esse tempo não ser a pessoa perfeita como você sonhou um dia. E também te pedir para que não deixe de ter esperança em nós. 

Continue acreditando que sou a mulher da sua vida, que serei a pessoa a te apoiar pra sempre, a mulher com quem acordará todos os os dias até o fim da sua vida. Não desista desse amor. Fique comigo, e construiremos maneiras para superar as dificuldades. 

Eu te amo tanto, não suportaria viver em um mundo tão frio sem você para me aquecer. Saiba que sempre terá alguém para desabafar, conversar, e até mesmo xingar se sentir necessidade. Mas, meu bb, continue ao meu lado. 

Bem, as palavras já começaram a me faltar e o texto chegou o fim, não sei me expressar muito bem, você sabe disso. Saiba que te amo, e por mais inexplicável que esse sentimento seja, ele é verdadeiro. 

Nunca se esqueça disso.
SK 💕

#poesia

Segure, não me deixe partir. Seus braços são o paraíso.
Poderia para sempre permanecer aqui, repousar, ficar em paz.
Em você encontro paz, algo que eu não conseguia sentir há muito tempo. 
A sua mão encosta na minha, há uma energia ali. Invisível aos olhos, mas tão bom para o coração. 
Talvez eu não consiga me expressar nas palavras, mas é dificil esconder o quanto gosto de você.
O coração acelera de um modo tão bom! Eu amo te ver, estar contigo. 
Eu poderia passar horas, quase que toda a eternidade descrevendo o quão bem me sinto ao seu lado.
Poderia fazer canções, poemas, versos, rimas. Mas seriam apenas palavras. Pequenas palavras, quase miúdas se comparadas ao que sinto aqui dentro do peito.
A conexão foi certeira, pela primeira vez me sinto inteira. 
Esse sentimento me apara, me acalma. Sinto com toda a alma. 
Nada de metades, dois inteiros. Um sentimento tão bom, que não tenho as palavras para descrever.
Neste momento, o que eu mais queria ter é palavras para tentar descrever o que sinto, mas não consigo. 
Apenas sorrio, de orelha a orelha. Transbordando alegria. É apenas isso que consigo fazer, sorrir. 
Talvez seja pouco, ou meio bobo, quem pode dizer? Sempre ouvi dizer que não há razão pelas coisas feitas pelo coração. Começo a acreditar em parte nisso. Certas coisas não podem ser descritas, devem ser apenas sentidas.

#RT #Petisco de Cultura – Mostra no MASP apresenta trabalhos de pacientes psiquiátricos

histórias_da_loucura_12

“Os homens são tão necessariamente loucos, que não ser louco seria uma outra forma de loucura” – Blaise Pascal

Em 1974, o doutor Osório César doou 102 desenhos de pacientes do Hospital Psiquiátrico do Juquery, que ficava em Franco da Rocha, São Paulo, para o Museu de Arte de São Paulo. Mais de quarenta anos depois, as obras voltam ao espaço de exibição do MASP com o título Histórias da Loucura. A mostra fica disponível para visita até dia 11 de outubro e reúne a centena de desenhos classificados como “arte bruta” e feitos antes de 1964 com lápis de cor, giz de cera e materiais simples de criação artística.

Juquery foi inaugurado em 1898, mas apenas em 1956 o manicômio ganhou uma Escola Livre de Artes Plásticas. Liderado por Osório até 1964, o próprio um crítico de arte, a seção de artes do sanatório não superava os problemas do modelo de tratamento psiquiátrico no Brasil. Na realidade, Juquery é tido como um dos maiores exemplos de como surgiram e declinaram os manicômios no país.

Instituições para loucos são comumente associada à ditaduras. Quando o regime militar assumiu o comando no Brasil pós-golpe, havia 74 sanatórios em nosso território nacional. O número saltou para 395 quando o regime caiu, em 1985. É conveniente para governos totalitários determinarem quem é maluco, pelo visto. As políticas de saúde mental foram modificadas por aqui nos ano 1990 até serem extintos os centros. Isto torna estes registros artísticos algo bastante importante, pois tornam-se visões distantes de eurocentrismo, nada próxima de cânones e, sim, marginalizadas na história da arte.

Leia este trecho escrito por Adriano Pedrosa, retirado da brochura da mostra: “A loucura, que já esteve associada à liberdade e ao êxtase, passou a ser tomada como doença e foi relegada ao asilo, como condição que deveria ser moralizada, culpabilizada e reprimida”. Esta frase é uma conclusão vinda do livro “Histórias da Loucura”, de Michel Foucault, considerado um marco da filosofia.

Osório se negava a acreditar que os desenhos eram algo diferente de obras de arte. Via nas manifestações criatividade pura, o que dialogava com a visão de arte bruta enquanto algo feito sem preocupações acadêmicas por alguém tido como maníaco ou uma personalidade obscura. Antes de irem parar no MASP, parte das obras desfilaram em Paris em exposição de arte bruta mundial na primeira metade do século passado.

Mais informações sobre horários e serviço aqui. Confira algumas imagens da mostra abaixo.

As próximas imagens são de Albino Braz, o mais prolífico dos pacientes de Osório:

histórias_da_loucura_1

histórias_da_loucura_2

histórias_da_loucura_3

Pedro Cornas:

histórias_da_loucura_4

histórias_da_loucura_5

histórias_da_loucura_11

Pedro dos Reis (a primeira imagem do post é do mesmo artista):

histórias_da_loucura_6

O. Doring:

histórias_da_loucura_7

histórias_da_loucura_8

Anônimo:

histórias_da_loucura_9

Geraldo Simão:

histórias_da_loucura_10

Fonte: IDEAFIXA

Minha opinião: Achei tudo brilhante, me deu vontade até de ir Hospital para saber se tem mais artistas assim. Pois como diria nosso querido Raul: “A arte de ser louco, é jamais cometer a loucura de ser um sujeito normal.”

Sobre trigonometria, traição e sentimentos estranhos da adolescência.

tumblr_lz9aiggR7S1qdbg24o1_500

Olá, sou SuzuKayou. Coloquei a Cana aí porque normalmente é ela que eu uso de avatar, mas hoje o post é bem pessoal… Você é ou já foi adolescente? Se sim, pode me responder algumas perguntas?

É normal se sentir meio sozinha mesmo tendo namorado? Sabe, você sabe que seu namorado quer estar ao seu lado, mas às vezes você acha que dizer isso pra si mesma, é meio que uma fuga… E às vezes você acha que sei lá, talvez esteja sendo grudenta… Mas pedir pra ele te visitar duas vezes na semana é muito? :\

Outra coisa… É muito errado ter um amigo próximo e sentir atração por ele? Ou é só causa de eu estar muito afastada de meu namorado? Porque sei lá, talvez seja porque eu esteja em um momento da minha vida que estou sob pressão e muito frágil emocionalmente e ele não está aqui, mas eu sei quem realmente amo. O problema é que eu realmente preciso de alguém ao meu lado, mas eu sei que estar ao lado do meu amigo sentindo isso não é correto. Talvez eu esteja confusa demais.

Agora não é um conselho… É só um desabafo… Estou com a mente totalmente cansada por causa de trigonometria e estou com medo porque sei que ainda vai piorar! ahhahaahah

Bem, vamos acabar com esse post com um bom vídeo como agradecimento por quem conseguiu terminar! haha

Querem acompanhar bons mangás? Entrem na Kiis scan! :p (Clique aqui)

#Youtube – Músicas favoritas <3 #Parte 1

Não está em classificação de qual eu gosto mais e sim das que eu vou lembrando, agradeço.

#Recomendo Mangá – Hadashi de Bara wo Fume

Olá! Espero que apreciem esse mangá… Eu, pessoalmente, me apaixonei!

Ah! Eu acabei de ler esse mangá, e tenho que dizer, estou apaixonada e com vontade de repetir a leitura!
Ele começa assim, e tu logo percebe que é um shoujo beeeem clichê. Mas quem disse que clichê é sinônimo de ruim? Não mesmo!
Ele é cheio de reviravoltas inesperadas, *tretas que eu amo* hdsudshudsh, etc…
É tudo que eu podia pedir em um shoujo!

Bem, vamos começar…
Na verdade, ele começa com uma cena bem engraçada! haha

Sim… “O meu adorável ARROZ…” Eu quase me sufoquei de tanto rir! hahah

A sinopse do mangá é interessante, mas não me chamou tanta atenção:
” Pobre Sumi Kitamura… o seu irresponsável irmão mais velho, Eisuke, continua trazendo crianças órfãs para ela cuidar quando eles mal conseguem dar conta de suas próprias necessidades básicas. Um dia, após seu irmão fugir de um homem que veio cobrar suas dívidas, Sumi se vê em uma enrascada. Quando o cobrador diz que irá vender as crianças para outros países no intuito de conseguir o dinheiro perdido, Sumi resolve vender a si mesma para pagá-lo.”

O irmão mais velho dela é, desculpe a expressão, um fdp mesmo.
O novo esposo dela… Ahhhhh, ele é um personagem que te conquista. Aos poucos, mas quando você se ver conquistado(a) por ele, não conseguirás mais escapar… Eu sinceramente não consegui amar mais um personagem a não ser o Arata de Moe Kare (Meu mangá favorito, por sinal)

Ela parece uma história que não vale muito a pena investir tempo de início, mas logo depois do 2° capítulo, tu se envolve de um modo que não consegue largar!
Todos os personagens são envolventes a sua forma! É como um disparo no seu coração e tu não consegue mais largar do mangá!

Bem, pra quem gostou de Ookami Shoujo, Moe Kare, L-DK, A Kiss to my Prince, Vampire Knight e shoujos superficialmente clichês, mas com reviravoltas tocantes… Pode investir!

Link para ler online: http://br.mangahost.com/manga/hadashi-de-bara-wo-fume/1

Finalmente organizei isso aqui! -#Attporquesim

Eu estava ficando louca, pois uso o Opera e o modo como ele organiza os “favoritos” é super diferente… Meus “favoritos” estavam todos desorganizados…
Mas finalmente, hoje eu parei pra organizar e tchan-nan!!!
Meu Speed Dial está organizado!

Agora sim!

Gisele Bundchen e sua primeira entrevista…

Como não falar dela na semana de seu último desfile? Não dá, né?
Ronald Villardo ( blogueiro do site e jornal O Globo) escreveu uma pauta interessantíssima sobre ela, e eu gostaria de compartilhar o prazer de ler esse post muito bem redigido com vocês, claro.

Pois bem… liguei para Horizontina, onde ela estava num “shoot” e conversei por quase 40 minutos. Foi a primeira de vááárias entrevistas que faria com a mulher mais linda do mundo, para meu prazer absoluto porque Gisele, além de linda é a pessoa mais simpática DO PLANETA!

E uma das melhores modelos que já vi em todos os meus 10 anos de cobertura de Fashion Weeks. Ninguém desfila como ela. É assustador ver que as milhares de fotos tiradas no pitch podem ser aproveitadas, quase não existem fotos ruins quando é ela a modelo. Isso custa. E ela sabe cobrar.” […]

Como se sabe, em geral, mulher desfila com cara de metida, ‘fazendo a poderosa’ (não sei por que e nem vou entrar nesse assunto, simplesmente É assim no mundo inteiro) mas no território nacional a plateia a aplaude tanto, mas tanto, que ela acaba abrindo um sorrisão.

Que bom. Gisele pode muitas coisas. Esta é uma delas.”

Bem, para terminar o post sobre essa nossa diva, vou colocar o print da primeira entrevista que ela deu… Que foi, sim, com Ronald Villardo.

Se quiser acessar ao blog dele, clique – Aqui –

#PetiscodeCultura – Falando sobre igualdade entre gêneros…. #HeforShe

Que a Emma Watson é linda, maravilhosa e diva, todos sabemos, né?
Mas agora, além de tudo isso, ela é embaixadora da ONU e começou a uns meses atrás uma campanha super legal, o HeforShe, que eu peço a colaboração de todos…
Para explicar sobre ela, eu chamo nossa querida…. Emma Watson, claro!

Ela mandou muito bem, né? E isso não é algo que se assina e fim… O HeforShe é uma campanha que temos que viver. Temos que parar de nos rebaixarmos, ou de nos elevarmos socialmente, economicamente ou de qualquer outro modo a outras pessoas pelo gênero sexual dela… Nós nascemos diferentes sim, mas nós temos algo em comum, somos humanos. Todos temos a capacidade de pensar e agir, igualmente. Pode parecer contraditório, mas a igualdade está em aceitar as diferenças do outro. Em respeitar, pois todos somos humanos.

Vamos terminar com esse último vídeo!

Quem quiser ajudar, visite o site da HeforShe na ONU – Clicando aqui! –

Impossível qualquer explicação….

Impossível qualquer explicação: ou a gente aceita à primeira vista, ou não aceitará nunca: a poesia é o mistério evidente. Ela é óbvia, mas não é chata como um axioma. E, embora evidente, traz sempre um imprevisível, uma surpresa, um descobrimento.

– Mário Quintana